Posts Tagged ‘ cafe ’

nice coffe set*

Huumm… smell like nice coffe :)

Nespresso Citiz

A Nespresso é uma das marcas mais elegantes do momento, é certo; e agora, com a nova máquina Citiz, a elegância multiplica-se por três. Está a decorrer assim um passatempo para ganhar uma máquina Nespresso Citiz (ui, eu cá adorava) e para participar basta registarmo-nos e enviar-mos o aviso do passatempo a tantos e-mails quanto possível! Fica aqui o link e bom passatempo: Nespresso Citiz

nespresso_citiz_g_1238111170

Café Verde

Café verde, a bebida mais consumida do mundo inteiro:  estimulante, diurético e antioxidante, o café pode também estimular a termogénese e a oxidação da gordura.
O café é um arbusto lenhoso originário da Abissínia, região a norte da actual Etiópia, amplamente cultivado em vários países tropicais como o Brasil, a Colômbia e o Vietname, devido à sua importância económica. A planta, que atinge os 3,5 metros de altura, é composta por um caule erecto e delgado, folhas verde-escuras, perenes e oposto-lanceoladas, pequenas flores estreladas de cor branca, e frutos sob a forma de bagas vermelhas contendo cada um duas sementes, os grãos que depois de torrados e moídos, utilizamos para a preparação do café.

O café é, hoje em dia, a bebida sem álcool mais consumida e apreciada no mundo. Por exemplo, na Turquia, país onde as mulheres não gozam dos mesmos direitos que os homens, o seu consumo é de tal forma importante que chegou a ser motivo legal de divórcio: as mulheres podiam pedir o divórcio caso o marido não fosse capaz de prover o fornecimento de café.

Combate o sono e o excesso de gordura

A semente de Coffea arabica é a parte mais utilizada da planta. O grão de café não torrado, ou café verde, possui, entre outros constituintes, 0,06-0,32 por cento de cafeína (estimulante forte), teobromina e teofilina (relaxante da musculatura lisa), taninos e flavonóides (antioxidantes), e 5 a 10 por cento de ácido clorogénico. Sendo a cafeína o único composto que permanece estável durante o processo de torrefacção.

De relevante importância terapêutica são a cafeína e o ácido clorogénico. A primeira substância actua, inibindo os efeitos da adenosina, neurotransmissor responsável pela indução do sono, e estimulando a atenção. A cafeína é ainda eficaz a estimular um processo chamado termogénese (gasto energético de calorias durante e logo após o processo de alimentação, e que pode corresponder a 15 por cento dos gastos calóricos diários) bem como a promover a oxidação de gorduras corporais, facilitando a sua eliminação.

O ácido clorogénico, por sua vez, em maior percentagem no café verde que no grão torrado, influencia o estado de humor das pessoas, impedindo sentimentos apáticos e de depressão, e contribuindo, consequentemente, para evitar a utilização de álcool e de algumas drogas. Tem ainda a capacidade de reduzir a absorção dos hidratos de carbono consumidos pelo organismo, minimizando a sua acumulação nos tecidos sob a forma de gordura, e actuando positivamente sobre os níveis da glicose no sangue. Estas duas substâncias são assim frequentemente utilizadas como ingredientes em muitas fórmulas que visam a produção de energia e o emagrecimento corporal.

Segundo os herbalistas, o café funciona, a curto prazo, como um bom estimulante, contudo, o seu uso prolongado poderá estar associado ao enfraquecer da vitalidade. Na verdade, pessoas mais sensíveis à cafeína experimentam sintomas de tensão, ansiedade e temores logo após a ingestão da substância, e doses exageradas provocam habituação, prejudicam o estômago, causam insónia e tensão arterial elevada, podendo ainda aumentar a eliminação de cálcio na urina. É, portanto, contra-indicado a pessoas que sofram de tensão arterial elevada, com tendência para o nervosismo, hipertiroidismo, gastrite crónica, úlceras gastroduodenais, problemas hepáticos e reumáticos. Também é desaconselhado a crianças, principalmente no caso de sofrerem de hiperactividade.

Para além da bebida que vulgarmente conhecemos como café, as outras formas de uso desta planta, no que respeita à fitoterapia, incluem a decocção de café verde (5-7 g por litro de água: 2 chávenas por dia), o xarope e a tintura (diluição de 1:5), ambos de aplicação tópica. A ingestão de cafeína diária não deve ser superior a 400 mg.

*coffeeholic

Aqui fica um diagrama de utilidade pública: os vários tipos de café com que nos podemos deliciar e respectiva pronúncia caso possam dar um pulinho à Starbucks ;)

 

A nova Edição Limitada da Nespresso tem um aroma a ameixa raro e especial. Goroka é um puro Arábico produzido nas terras mais altas da Papua Nova-Guiné, onde o calor e a humidade criam as condições perfeitas para a maturação de um café de excelência.

A sua ascendência remonta aos cafés das montanhas da Jamaica, uma origem nobre que lhe atribuiu um aroma suave e frutado. O leve travo a ameixa, que adocica o corpo tradicionalmente amargo do café, tornam-no numa verdadeira obra-prima em estado líquido. Tais qualidades são exaltadas pela subtil delicadeza do processo de fermentação e pela receita original dos mestres torrefactores que envolve dois níveis separados de torrefacção de café da mesma origem.

Os acessórios são o ideal para experimentar esta nova edição. Se Goroka, o nosso Grand Cru de Edição Limitada 2008, é preferivelmente degustado numa chávena espresso (40 ml), a sua delicadeza pode também ser realçada com um toque de canela, baunilha e espuma de leite.

Para descobrir esta receita exclusiva, a Nespresso criou uma chávena Lungo (110 ml). Inspirado pela arte tradicional de papua – as chávenas incorporam o pontilhismo em padrões geométricos modernos para ilustrar a viagem até um café misterioso, precioso como o Goroka.  

Produzida em quantidades limitadas, a Limited Edition Goroka só estará disponível durante breves semanas.

 

Huuum… estou ansiosa por experimentar :]

 

{coffe break}

Para os “coffeaholics” …

244455572_bf43493124.jpg

pequeno-almoço

Confissão: embora seja apologista de uma alimentação saudável e estilo de vida light, nem sempre me é fácil seguir a filosofia que tanto gosto. E um dos meus erros mais crassos é sem sombra de dúvida o pequeno-almoço. Nunca consegui habituar-me a uma rotina … isto porque há pessoas que conseguem, durante meses, ou até mesmo anos, comer sempre a mesma coisa todos os dias pela manhã. Para mim, isso é impensável. Adoro variar, e o problema é que o tempo de manhã não costuma ser muito. Tudo isto para dizer que encontrei um blog cujo tema não deixa de ser interessante: pequenos-almoços. Gostei das sugestões apresentadas e da capacidade de adorar assim tanto uma refeição que a maioria de nós não respeita, e que como sabemos, é a mais importante do dia. Enjoy it ;)

breakfast.jpg